Independentzia eta sozialismoa/Independencia y socialismo

eta

Jon Iurrebaso Atutxa | Fermin Santxez Agurruza

E.T.A. 1958ko abenduan jaio zen, Euskal Herriaren askapen nazional eta sozialaren alde borrokatzeko. Berehala zehaztu zituen helburuak: Independentzia, Sozialismoa, Birbatasuna eta Berreuskalduntzea. Aldi berean, bere burua definitu zuen: Nazio Askapenerako Euskal Mugimendu Iraultzailea, hasieran. Ondoren, Nazio Askapenerako Euskal Mugimendu Sozialista. Geroago, Nazio Askapenerako Euskal Erakunde Sozialista Iraultzailea. Izen honekin ezagutu genuen guk, erakundean lan eta borroka egitera sartu ginenean.

(Versão em espanhol no fim do artigo)

Continuar a ler

Anúncios

Errepresioaren aurka, antolakuntza eta borroka!/Condenamos la violencia

policia basca

HERRITAR BATASUNAk ozenki eta ahoan legarrik gabe salatu eta kondenatu nahi du atzo Iruñeko karriketan, “ERREPRESIOARI AUTODEFENTSA”, herri mugimenduen manifestazioaren aurka,  Espainiako okupazio indar polizialek burutu zuten eraso bortitza. Tamalez, herri mugimenduek beraiek errandako hitzak bete egin dira, zuzen eta bide onean direlako seinale:

(Versão em espanhol no fim do artigo)

Continuar a ler

A legalização da classe operária de Bernard Edelman

Comentários e introdução

edelman

Cem Flores

Fruto de um trabalho coletivo de tradutores e colaboradores, a publicação do livro A legalização da classe operária[1] (Boitempo, 2016), do advogado francês Bernard Edelman, vem minimizar uma lacuna no mundo editorial brasileiro. Lacuna que diz da ausência quase absoluta de novas edições e traduções das obras do grupo de militantes que, como Edelman, compartilhava das teses do militante comunista Louis Althusser. A recente publicação da editora Unicamp, Por Marx (Coleção Marx 21, 2015), de Althusser, também se insere nesse horizonte, cuja consequência será certamente estimular o debate teórico e a prática comunista em nosso país. Continuar a ler

Askatasunaren bidean

pais-basco-6

Euskal preso eta iheslari ohiren batzarra

(Traducción del texto original en Euskera)

Somos militantes del Movimiento de Liberación Nacional Vasco, hombres y mujeres abertzales y socialistas revolucionarias de diferentes generaciones. Desde jóvenes hemos luchado a favor de la liberación nacional y social del Pueblo Trabajador Vasco y de los cuatros ejes del nacionalismo revolucionario: Independencia, Socialismo, Reunificación y Reeuskaldunización. Continuar a ler

O 8 de Março ainda é Dia da Mulher?

rosa-luxemburgo

Ana Barradas  

A emancipação das mulheres é obra das próprias mulheres

Nas últimas décadas, impôs-se em toda a parte um feminismo pequeno-burguês em que surge em primeiro plano a defesa quase exclusiva dos interesses de uma minoria de mulheres de estratos médios ou médio-altos (paridade, quotas e igualdade nos cargos políticos e económicos), a defesa assistencial e institucional das mulheres em geral pelo direito ao aborto, contra o assédio sexual, a violência e a pobreza, o abandono da denúncia dos actos machistas públicos e privados em toda a vida quotidiana e o silenciamento das causas estruturais mais fracturantes, a pretexto de não exacerbar as vacilações d@s aliad@s. Continuar a ler

Herritar Batasunaren Lehen Aurkezpena Iruñean / Primera presentación de Herritar Batasuna em Iriñea/Pamplona

n_athletic_de_bilbao_varios_fotos_de_todo_lo_no_relacionado_con_el_athletic-195192

Mikel Erro

Heldu den ortziralean, martxoaren 3an, arratsaldeko 7etan Iruñeko Kondestable jauregian eginen da HERRITAR BATASUNA antolatzeko eztabaidaren lehen aurkezpena, Euskaraz. Geroago, Espainolezko saioa izanen da, arratsaldeko 8etan, toki berean.

(Versão em espanhol no fim do artigo) Continuar a ler

A alegria da destruição

Russian Women Workers in Red Square

Ana Barradas

“As mães de família, cansadas das intermináveis bichas nas lojas, desesperadas por verem os filhos doentes e meios mortos de fome, talvez estejam hoje mais próximas da revolução do que os chefes da oposição liberal e, como é evidente, constituem um perigo bastante maior, porque são a matéria combustível que só precisará de uma leve centelha para se incendiar.”
Estas as apreensões reveladas por um relatório da polícia czarista em Janeiro de 1917. Continuar a ler